O arrancador de ervas daninhas

O arrancador de ervas daninhas

Vaga de emprego que máquina nenhuma pode fazer. Disponibilidade? Imediata. Experiência? Nenhuma. Resistência à intempéries? Saúde de ferro. Foi, trabalhou e guardou duas lembranças. A melhor foi o primeiro carimbo da carteira de trabalho que dizia: Arrancador de ervas daninhas em restinga.
As capinas de restinga serviam para eliminar as plantas daninhas que provocavam o abafamento ou a excessiva competição. Ele começou sapiens: puxava as gramíneas pelos cabelos. Depois virou neanderthalensis e arrancava os pés das epífitas. Quando foi erectus tirou camadas e camadas de cebolas da praia. Habilis, picotou cactáceos com os dentes  e por fim, afarensis, deitou.
Estatelado na praia, o arrancador de ervas daninhas sentiu os tantos grãos de areia em suas costas como se fossem estrelas brotando no céu. Cada ponta doía nos poros. Ouviu as plantas carnívoras comerem os pernilongos. Visto que o substrato tinha boa estrutura e consistência, os insetos não comidos acabaram por arrancar-lhe o sangue aos canudinhos.
A areia soprava num chicote. As mãos do homem procuravam os últimos brotos de erva daninha da restinga. A raiva escondida dentro de si manifestava-se em cabelos espichados em alga nori e a pele crostinhenta como queijo-coalho assado.
O arrancador de ervas daninhas da restinga desenraizou, junto com a raiva, as últimas seivas de força. Rastejou até a estrada. Enlaçou as mãos na maçaneta da porta do carro, mas faltaram-lhe água e sapiência. Plantou-se ali.
Choveu em cascata. As gotas formaram poros na areia. Ela regou tudo. Desabrochou o homem aferensis em habilis, em erectus, em neanderthalensis e, por fim, em sapiens. Só então ele pode subir pela estrada da Graciosa.
Quando o arrancador de ervas daninhas pôs-se em frente a seu empregador, o patrão teve medo. Sapiens arrancou então a raiva escondida no peito, um livro da estante e um grito. Quis extirpar o engravatado. Quis suprimi-lo. Cortar o mau pela raiz. Mas só conseguiu golpeá-lo na cabeça com um grande Copo de Cólera. E o patrão morreu.

--------------------
Incialmente escrito e publicado para o curso do Ronaldo Bressane no MAM
(contosdomam.wordpress.com)

Comentários

Postagens mais visitadas